OAB

Conselho Nacional de Justiça atende Ordem dos Advogados do Brasil e arquiva ação que mudava cálculo da distância entre comarca e vara federal

Atendendo pleito da OAB, o plenário do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), por unanimidade, decidiu pela manutenção do arquivamento do Procedimento de Controle Administrativo (PCA) que buscava mudar o cálculo da distância entre a sede da comarca estadual e a vara federal, para fins de fixação da competência delegada nas ações previdenciárias. Proposto pelo Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo (TJSP), o PCA arquivado buscava mudar os termos estabelecidos pela Resolução 705/2021, do Conselho da Justiça Federal (CJF), sobre a forma de cálculo da distância entre a sede da comarca estadual e a vara federal.

O exercício da competência delegada é restrito às comarcas estaduais localizadas a mais de 70 quilômetros do município sede da vara federal cuja circunscrição abranja a sede da comarca. A Ordem defendeu a prevalência do critério da Resolução 705/2021, que modificou a resolução 603/2019-CJF, de modo a observar, como critério de verificação do percurso o efetivo deslocamento pela via terrestre entre a sede da comarca estadual e a vara federal, e não em linha reta como anteriormente utilizado por alguns dos tribunais regionais federais.

Em memorial enviado CNJ, a OAB Nacional sustentou que este é o critério que melhor atende aos interesses dos jurisdicionados e viabiliza o efetivo acesso à justiça. Além disso, o documento do Conselho Federal diz que não se pode considerar razoável a pretensão de que seja utilizado o cálculo em linha reta para aferição da distância definida em lei. Isso porque, em alguns casos, em função da geografia local, o real deslocamento ultrapassa os 70 quilômetros retilíneos.

Sustentação oral

O conselheiro federal Daniel Blume (MA), representante institucional permanente da OAB no CNJ, fez a sustentação oral no julgamento do caso no plenário do conselho. “A OAB tem como objeto e meta o efetivo acesso à Justiça no interesse não somente de advogadas e advogados, mas também das cidadãs e cidadãos. É óbvio que o parâmetro de 70 quilômetros de distância deve levar em consideração curvas, subidas e descidas. A advocacia e o jurisdicionado percorrem esses caminhos sinuosos e, portanto, não faria sentido a adoção do critério de distância em linha reta, que não retrata com fidelidade o percurso total necessário. A resolução questionada contempla o ponto de vista da Ordem e, mais do que isso, considera aquilo que melhor atende as necessidades da sociedade”, afirmou Blume.


Com informações da Ordem dos Advogados do Brasil

Mais emOAB