NOTÍCIAS

STF inicia julgamento de lei sobre repasse de dados telefônicos para investigações de tráfico de pessoas

O Supremo Tribunal Federal (STF) deu início, na sessão desta quarta-feira (16), ao julgamento da Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI) 5642, em que a Associação Nacional das Operadoras Celulares (Acel) questiona dispositivo da Lei 13.344/2016 que confere a delegados de polícia e membros do Ministério Público a prerrogativa de requisitar informações e dados necessários à investigação criminal nos casos de tráfico de pessoas, independentemente de autorização judicial. O julgamento foi suspenso após a leitura do relatório e as manifestações das partes e dos interessados e prossegue nesta quinta-feira (17).

Carta em branco

Em nome da Acel, o advogado Rodrigo de Bittencourt defendeu que a lei contém vícios de constitucionalidade, pois permite o esvaziamento da proteção constitucional à privacidade e ao sigilo das comunicações. Segundo o advogado, da forma em que foi redigida, a norma confere “verdadeira carta em branco” para que as autoridades possam acessar todos os dados de cidadãos tidos como suspeitos.

Efetividade

Na qualidade de interessado, o defensor público federal Bruno Arruda defendeu a improcedência da ação e apresentou dados acerca do tráfico internacional de pessoas. Na avaliação do defensor, suprimir essa autorização tira do Estado a capacidade de executar contramedidas com a mesma efetividade dos traficantes de pessoas.

Lista telefônica

Para o vice-procurador-geral da República, Humberto Jacques de Medeiros, o legislador foi modesto, uma vez que a lei torna acessíveis por autoridades públicas simples dados cadastrais, e apenas em situações limites. Ele lembrou que esse tipo de dados, há poucos anos, podiam ser acessados por qualquer pessoa em listas telefônicas.


As informações são do Supremo Tribunal Federal

Mais emNOTÍCIAS